Perspectiva Pleiadiana da Ascensão - Livro IV
VIDA DENTRO DA NOVA TERRA - PARTE 3
O AFUNDAMENTO DA LEMÚRIA
Por Suzanne Lie PhD
Em 07 de novembro de 2013
 
  NOTA DA AUTORA:

A comunicação tridimensional é lógica, sequencial e focalizada no tempo passado, presente e futuro.

Por outro lado, a comunicação multidimensional é baseada na imaginação, imagens percebidas e sensações emocionais/físicas dentro do AGORA atemporal.

Alguma coisa está bloqueando minha capacidade de imaginar, perceber e/ou sentir o próximo segmento da história multidimensional da Lemúria.

Portanto, evocarei Ra e Ra Mu, o Rei e a Rainha da Lemúria na Terra Interior.


Queridos Ra e Ra Mu,

Eu venho a vocês AGORA através de minha comunicação imagética pentadimensional.

Eu lhes peço para me assistirem no próximo seguimento da jornada de Mytrian pelo seu vasto mundo lemuriano na Terra Interior.

Eu tive a imensa honra de ser levada a uma rápida visita ao seu mundo e me lembrar do sentir o amor incondicional e alegria aos quais todos vocês ressoam.

Tive alguma dificuldade para me centrar totalmente neste segmento da história em que Mytrian está para visitar Telos.

Eu vivo na área costeira no sul da Califórnia, que já foi uma parte da Lemúria e frequentemente vou até o norte da Califórnia, nas florestas de sequoias que restaram de sua civilização.

Vou tirar um momento para me lembrar desse "sentir" enquanto aguardo sua mensagem.


Nossa querida,

Você não precisa esperar o SENTIR a nossa mensagem, pois nós vivemos dentro de seu coração e também dentro do coração de Mytrian.

De fato, não é a visita à Lemúria na Terra Interior que causa a pausa.

É o SENTIR de seu EU Multidimensional ao se apresentar em sua "história" que fez você parar e se lembrar.

Lembrar não é uma ação: é uma calma do corpo, mente e espírito.

E também, nossa amada lemuriana, para se lembrar de nosso mundo interior, você deve passar pela lembrança da destruição de nosso continente na superfície.

Esta lembrança é uma que nenhum de nós deseja retornar.

Entretanto, pela escuridão está a luz.

Por favor, permita-nos segurar sua "mão" enquanto você atravessa essa lembrança AQUI dentro do nosso AGORA.

Nós a retornaremos para a nossa comunicação em que você está "apenas contando uma história".

É por chamar esta lembrança de uma história que seu inconsciente pode liberar sua vigilância de protegê-la de informação até estar forte o suficiente para recebê-la.

Portanto, começaremos onde você parou com o líder lemuriano dizendo:

Nossos líderes viram a realidade possível de nossa total destruição e tentaram vigilantemente evitá-la. Porém, nosso ciclo terminara, e nós precisamos ir para a Terra interior para encontrar segurança. Entretanto, esta é uma história para outro AGORA. Por favor, sigam-nos para a sua comemoração.


MYTRIAN FALA:

O líder então se virou para nos guiar para a cidade, mas de repente desapareceu.

De fato, toda a nossa visão da cidade e também dos nossos outros amigos lemurianos desapareceu.

Nós estávamos sozinhos numa caverna escura dentro do núcleo de alguma versão da Terra.

Pior ainda, nossa lembrança de como chegamos a esta caverna e até de nossa própria identidade começou a entrar e sair de nossa percepção.

Nossa vaga visão de Mytrian estava metamorfoseando para as imagens de um homem e uma mulher altos que trajavam o que parecia com túnicas da Grécia antiga.

As túnicas eram iguais para homens e mulheres e eram feitas de um tecido que parecia luz trançada.

A túnica da mulher descia até seus tornozelos, enquanto que a do homem parava logo acima de seus joelhos.

Ambas as túnicas eram presas no ombro esquerdo com um broche dourado.

Entretanto, o broche não era de ouro e parecia ser mais cristalino em natureza.

Na cintura eles usavam um cinto do mesmo cristal dourado, mas ele era flexível ao invés de sólido como no broche.

Em seus pés estavam sandálias que eram de ainda outra versão da substância cristalina dourada.

A mulher tinha cabelo escuro longo, preso numa trança que descia por suas costas.

A trança era entremeada com um fio dourado.

Ela usava um colar, uma corrente de cristal/dourado com um grande pingente que pousava sobre seu Coração Superior.

O pingente era um círculo simples, mas reluzia cores diferentes que visualmente demonstravam todo pensamento e emoção dela.

O homem era ligeiramente menor do que a mulher e usava um capacete dourado transparente que prendia seu cabelo escuro, que era cortado na altura de seus ombros.

O homem usava sandálias que subiam até imediatamente abaixo de seus joelhos.

O homem também usava um pingente semelhante sobre seu Coração Superior, mas a corrente era ligeiramente menos densa.

Seu pingente também reluzia cores diferentes para visualmente demonstrar todo pensamento e emoção.

Os dois pingentes estavam emitindo um brilho castanho escuro com listras vermelhas, que nós determinamos ser medo, pois podíamos sentir grande ansiedade emanando dos dois.

Por que eles estavam com medo?

O mundo lemuriano que estávamos visitando parecia muito calmo e tranquilo.

Entretanto, com esse pensamento nossa visão mudou da caverna da Terra Interior para uma locação desconhecida que era relativamente plana e tinha cheiro de mar.

Porém, também tinha o cheiro de gás não identificado que imediatamente nos assustou.

É cedo demais, falou a mulher que nós de alguma forma sabíamos que se chamava Landara.

Sim, o guerreiro Landar calmamente respondeu.

Muitos de nós morremos agora.

Felizmente, nossos segredos estão todos impressos nos Cristais Angulares de nossa colônia na Terra Interior.

E também, muitos de nossos líderes estão embaixo para assistir aqueles de nós que conseguiram viajar pelas nossas passagens para a Terra Interior.

Agora, a maioria das passagens psíquicas foi fechada pelo terror das pessoas da superfície e as passagens físicas estão todas cheias de água.

Nós estamos afundando e logo os gases de que sentimos o cheiro corroerão o restante de nossa matriz física.

Nosso mundo lar acabou, Landar falou com uma lágrima descendo por seu rosto.

Venha, meu Amado, disse Landara.

Devemos ir para a reunião no Templo que restou.

Muitas das pessoas da superfície dormem e não estão cientes de que nossa destruição é AGORA.

Como alguém poderia dormir enquanto a terra tremia e as ondas avançavam para a terra estava além de nossa imaginação.

Entretanto, nossa resposta veio quando Landar e Landara chegaram ao Templo.

Bem-vindos, disse Laetara, que era o líder do grupo de guerreiros e líderes espirituais ou administrativos.

Nós emitimos um "lampejo" para assistir a maioria daqueles que ainda estão na superfície para entrar um estado similar a sono.

Desta maneira, eles serão protegidos de sua morte prematura.

Assim seu trauma coletivo não deixará cicatrizes profundas de medo e vingança na terra remanescente ou nas águas de nosso oceano.

Nós vivemos como um povo pacífico e desejamos morrer da mesma maneira.

Landar e Landara uniram-se ao "Círculo da Conclusão".

Eles estavam entre aqueles que se voluntariaram a ficar na superfície para transmutar o máximo possível do medo sempre presente para o amor.

O grupo esperava que mais de seu povo tivesse escapado para a colônia interior.

Mas, visto que o fim viera mais cedo do que eles pensavam, era uma bênção para aqueles presos na superfície pudessem dormir durante a extinção de seu mundo magnífico.

Os voluntários que somavam algumas centenas formaram um grande Círculo da Conclusão na frente da entrada do seu Templo do Sol.

A essência viva do Templo do Sol evocou seu Complemento Divino, o Templo da Lua, que foi levado pelo mar em um cataclismo anterior.

Ambos os Templos eram seres viventes, tal como os cristais que formavam os Templos eram vivos.

Os voluntários sentiram o desejo do Templo Cristalino do Sol de se unir ao ser cristalino de seu amado Templo da Lua que o aguardava sob o oceano revolto.

O Ser Templo do Sol e também os humanoides sabiam que somente suas formas morreriam.

Eles sabiam que sua essência era imortal, mas estava profundamente ferida pelo fim violento de sua realidade pacífica.

Entretanto, todos os pensamentos de tristeza deviam ser abandonados.

Eles se voluntariaram para ajudar a acalmar a terra, o mar e o mundo astral que ainda sobraria, embora numa forma vastamente diferente.

Não somente a forma e a estrutura de seu mundo seriam alteradas para sempre, mas a inocência de éons atemporais de paz, alegria, unidade e amor, seria perdida até que a humanidade pudesse novamente retornar para a consciência pentadimensional.

Eles sabiam que o "tempo" iria pesar muito no corpo de Gaia por muitos éons porque sua superfície iria abaixar para a frequência da terceira dimensão.

Os líderes e guerreiros lemurianos já sabiam por algum tempo que o fim de seu mundo seria o início do "tempo tridimensional".

Porque sua consciência estava livre do tempo, eles podiam ver que os Atlantes no fim se uniriam a eles muito abaixo da superfície.

O povo de Atlântida que já havia sido sua família tornara-se seu inimigo.

Com a perda desses dois grandes mundos, guerra, carência, sofrimento e tristeza dominariam sobre a paz, abundância, alegria e amor por muitos ciclos do "tempo tridimensional".

Todos no Círculo sabiam que essa profecia era uma verdade.

Eles também sabiam que o Plano Astral Inferior suportaria o fardo da perda de dois continentes e os éons de sofrimento que viriam.

Porém, ainda havia esperança para os planos mais altos da quarta dimensão.

Todos os membros do Círculo da Conclusão fizeram um sacrifício pessoal para assistir Gaia durante sua transição para os reinos inferiores.

Eles fizeram esta escolha na esperança de que poderiam poupar à Terra das Fadas e aos mundos tetradimensionais superiores a tristeza, raiva e vingança que ameaçavam permanecer na terra, mar e coração dos sobreviventes.

Seus pensamentos individuais e unidos e despedidas pararam imediatamente quando a terra tremeu imensamente em resposta à subida do mar.

Todos eles também sentiram o Templo do Sol os chamando para se unirem em amor incondicional e perdão.

Um por um, e como um todo, os voluntários pararam seus pensamentos para se focalizarem nos sentimentos de aceitação incondicional da situação, perdão incondicional de todos os "inimigos" internos e externos e amor incondicional pela terra e mar que foram seu lar.

Quando a Alta Sacerdotisa do Templo do Sol começou a cantar, os outros se juntaram.

O cantar criou uma profunda unidade de consciência e focalizou sua atenção em sua tarefa conjunta de transmutar TODA sombra para a LUZ.

De repente uma chama enorme surgiu de uma fissura profunda no centro de seu círculo.

O grupo estava em tal consciência de unidade que eles simultaneamente se focalizaram em ver o fogo como a Chama Violeta da Transmutação.

Seu foco na transmutação do medo para amor incondicional os acalmou tão completamente que o som de seu canto ficou mais alto do que os sons da destruição que os cercava.

Os membros do Círculo mantiveram sua visão unida da Chama Violeta transmutando TODA sombra para a Luz e observavam enquanto a Luz Violeta brilhava pela Terra das Fadas e planos superiores da quarta dimensão.

Muitos voluntários na Terra das Fadas também formaram um Círculo da Conclusão para aceitar essa luz e passá-la para os reinos superiores.

Os dois Círculos da Conclusão, com uma enorme Chama Violeta no centro, ecoavam o poder da transmutação entre a terceira e a quarta dimensão.

O perdão, alegria e amor ressoados entre os dois reinos de realidade, serviram para enviar profundamente sua mensagem divina para o corpo de Gaia.

Gaia sorriu quando seu núcleo se encheu de amor.

Este presente assistiu imensamente Gaia a permanecer equilibrada em Seu eixo apesar do desastre em Sua superfície.

Gradualmente, tudo ficou calmo.

Os sons de destruição sumiram, a terra aceitou a água e as ondas violentas transmutaram para uma maré crescente estável.

Os voluntários ficaram em seus lugares no Círculo enquanto a água subia por seus corpos.

Todas as vozes continuaram cantando alto e claro e todos os corações permaneceram abertos e amorosos.

Conforme as águas avançavam acima de suas gargantas e entravam em suas bocas, os submersos mantiveram sua posição no Círculo até que somente restou a voz da Sacerdotisa mais alta.

Quando as águas silenciaram a doce voz da Sacerdotisa, a canção de * "Auld Lang Syne" passou para os éteres de Gaia para ser cantada novamente no fim de Atlântida e no início de cada novo ciclo.

O fim estava concluído e o início tinha começado.

Nossa visão terminou tão repentinamente como começara.

Assim que nos reestabelecemos no ser de Mytrian, olhamos para cima e vimos o líder e todos os nossos amigos lemurianos ao redor de nós.

Todos os seus "rostos" brilhavam de alegria.

O Líder estendeu sua mão de luz e disse:

AGORA vocês estão prontos para se juntar a nós.

Ao olharmos através do líder, nós vimos a linda colônia lemuriana reluzindo logo após a cortina de luz.

* (O nome da canção foi encontrado em http://www.lemurianconnection.com/category/about-lemuria-and-telos/ )
 
 
 
-.....---==II==----.....-
 
 
Direitos Autorais:
Fonte: http://suzanneliephd.blogspot.com/
Tradução: Blog SINTESE http://blogsintese.blogspot.com/
 
 
Gostou! Indique o site para Seus Amigos.
 
Facebook    
 
 
IITopo da PaginaII - IIVoltar Menu Suzanne Lie II - IIVoltar HomeII