O COMEÇO DO FIM – 2
COMUNICANDO-SE COM O ÉTER E A TERRA
Por Suzanne Lie PhD
Em 12 de junho de 2014
 
 
JASON CONTINUA:

Bem, nós pensamos que Lantern estava aqui para ajudar, mas parece que tínhamos entrado numa bela confusão.

No começo não sabíamos que era com Lantern que demos de cara, e eu quero dizer que Sandy e eu, nós dois, trombamos com ele.

Nós estávamos aturdidos com a mensagem do Arcturiano, ou talvez estivéssemos parcialmente físicos quando correndo batemos em um homem magro e alto que estava parado bem na frente de nossa barraca.

Mas só percebemos quem era quando Lantern falou conosco telepaticamente.

De alguma forma reconhecemos sua voz telepática, mas talvez fosse sua frequência de assinatura que era familiar.

Seja como for, fomos agraciados com a risada alegre e amoroso que Lantern soltou para o planeta de Gaia.

Eu lembro como sua risada podia ser ouvida até acima da multidão na Comemoração Lemuriana.

Estávamos nos perguntando onde você estava escondido, provocou Sandy.

A mim parece que eram você e Jason os que estavam escondidos.

Estava apertado demais na barraca com o Arcturiano?

Lantern riu.

Seus rostos estão brancos.

Vocês não sabem que o grande calor na barraca foi porque seus Corpos de Luz se projetaram enquanto o Arcturiano falava.

Eu tive que colocar uma holo-imagem ao redor de sua barraca para que os outros no acampamento não ficassem chocados.

Nossos Corpos de Luz se projetaram? – nós dissemos a uma só voz.

Lantern simplesmente riu e disse:

Coloquem seu equipamento para caminhada, enquanto ele manifestava duas mochilas na nossa frente.

Vamos fazer uma caminhada.

Mas nós dormimos somente umas poucas horas e precisamos comer, reclamou Sandy.

Ah, podemos fazer tudo isso na trilha, disse Lantern enquanto nos empurrou de volta para a barraca e levou as mochilas para a van.

Eu paguei esse espaço por uma semana.

Nós deixaremos a van no posto de guarda na base de nossa trilha.

Agora, depressa, precisamos estar no topo da montanha um pouco antes de escurecer.

Sandy e eu ficamos chocados com a atitude de Lantern.

Ele ainda era o seu eu jovial, mas nunca soubéramos que ele era tão autoritário.

É o AGORA! – ele respondeu aos nossos pensamentos.

Essa sentença chamou nossa atenção mais do que qualquer outra coisa.

Nós nos trocamos rapidamente, pegamos alguns alimentos para as mochilas e entramos na nossa van.

Lantern me disse onde estacionar a van e entrou no posto de guarda para pagar.

Onde ele arranjou dinheiro para pagar o espaço e o estacionamento? – perguntou Sandy enquanto Lantern se encaminhava para o posto de guarda.

Respondi com um sorriso e disse-lhe que iria perguntar a ele.

Perguntar o quê? – Disse Lantern com um brilho nos olhos.

Hum, onde você arranjou o seu dinheiro?

Ah, eu o tirei do mesmo lugar que tirei suas mochilas.

Eu o manifestei, disse ele enquanto nos levava para o início da trilha.

Nada mais foi dito por horas.

O Corpo de Luz de Sandy e o meu deviam estar ativados, pois não nos cansamos e nem sentimos fome, pelo menos até de noite.

Entretanto, quando o Sol começou a se pôr, nós dois ficamos famintos e extremamente cansados.

Sandy foi a primeira a falar.

Lantern, você acha que estamos perto do nosso acampamento? – ela perguntou tentando deixar a fatiga de fora de sua voz.

Você gostaria de descansar?

Não, não. Estou bem. Apenas estava querendo saber qual a distância que percorremos.

Distância é um conceito tridimensional, respondeu Lantern.

Eu sei que sou mais Corpo de Luz do que antes, mas meu revestimento ainda é bem físico, disse Sandy.

É nisso que você acredita?

Uau! – Nós dois exclamamos.

Eu deixara Sandy parecer que era a única que estava cansada, mas eu também estava a ponto de despencar.

É a nossa crença que nos deixa cansados?

Eu disse tentando não parecer rude.

Sim, claro. Seu Corpo de Luz não tem fadiga alguma, pois ele nem se moveu.

Nós dois ficamos realmente surpresos com essa declaração até que veio uma luz na cabeça de Sandy e ela exclamou:

Nosso Corpo de Luz é pentadimensional, então ele ressoa além do tempo!!

Mas somente se nós acreditarmos. – eu continuei.

Lantern não disse mais nada, mas se virou e continuou a subir uma parte especialmente íngreme da trilha.

Agora está ficando escuro.

Precisamos enxergar a trilha quando é tão íngreme. – nós dois reclamamos.

Vocês vão pedir para a Grande Mãe guiá-los, Lantern projetou em nossos corações.

Você sentiu isso? – Sandy me perguntou.

Pareceu que ele falou diretamente em nossos corações.

Falei porque vocês precisarão abrir seus corações para seguir a Mãe quando vocês não estão enxergando.

Quando o Sol sumiu no horizonte, a trilha ficou escura com muitas sombras e ilusões.

Hum, disse Lantern, isso parece com o Plano Astral Inferior.

É melhor serem cuidadosos.

Está tentando nos assustar? – eu disse.

Ah, não. Estou tentando avisá-los.

Lembrem-se de que o Arcturiano ativou seu Corpo de Luz.

Portanto, vocês estão totalmente cientes dos éteres escuros do Plano Astral Inferior.

Parece que Gaia está nos pedindo para nos comunicarmos com os “éteres” feridos de Seu planeta.

Sim, estamos de fato no Plano Astral Inferior. – Sandy cochichou.

Você acha que isso é de propósito para nos fazer usar nosso Corpo de Luz para navegar pelo nosso caminho?

Sim, óbvio, eu disse.

Eu vivo esquecendo que muitos lemurianos são membros da Nação Indígena.

Eles ensinam pela experiência, o que permite que cada pessoa aprenda do seu próprio modo.

Nossa conversa tinha que parar, pois tínhamos que nos focar a fim de navegar pelas trilhas íngremes e escuras enquanto éramos confrontados por imagens escuras voando pelos éteres.

Finalmente estávamos no alto de uma colina íngreme e vimos o que parecia ser demônios correndo em nossa direção.

O que deveríamos fazer? – nós perguntamos a Lantern com medo em nossa voz.

Vocês estão aqui para se comunicar com os seres dos éteres, foi tudo o que ele disse.

Entretanto, foi mais do que suficiente, pois lembrou Sandy e eu de permanecermos firmes e enviarmos amor incondicional às ilusões escuras.

Bom, orientou Lantern.

A atenção amplifica aquilo em que vocês prestam atenção.

Quando vocês não são reativos às imagens escuras, vocês as diminuem por retirar a sua atenção.

Quando vocês estiverem preparados, lembrem-se de que elas podem ser curadas pelo seu amor incondicional.

Nós sabíamos que essas imagens não podiam nos fazer mal.

Na verdade, quando nós as enxergamos através do nosso amor incondicional, nós pudemos ver que elas queriam nossa ajuda.

Nós liberamos todo pensamento e sentimos o amor incondicional que o Arcturiano acabara de compartilhar conosco.

Assim que sentimos esse amor incondicional dentro de nós, nós pudemos compartilhá-lo com os éteres da quarta dimensão.

Enquanto permanecemos firmes e focalizados no amor incondicional, pudemos sentir nossos Corpos de Luz expandindo para fora de nossa espinha.

Nós observamos como nossa luz interior se combinava com nosso amor incondicional para transmutar as imagens temerosas em centelhas de luz.

Essa luz fluía para amor conforme os éteres ao nosso redor clareavam mais e mais.

Quando a lua estava alta, tudo ao nosso redor brilhava e cintilava.

Até as nuvens, que cobriram o céu o dia inteiro, se abriram para revelar o universo brilhando acima de nós.

Lantern ficou ao nosso lado e apontou as muitas estrelas que tinham planetas que nós visitamos em nossas expressões superiores de Mytre e Mytria.

Vocês se lembram de como Mytre e Mytria se uniram com a Mãe em seu planeta pleiadiano? – perguntou Lantern.

Sim, lembramos, disse Sandy falando por nós dois.

Para se comunicar e fundir com os elementos e elementais, vocês precisam ouvir atenciosamente ao seu corpo terreno em transmutação, e também às suas expressões superiores de Mytre e Mytria.

Vocês têm percebido seus vasos terrenos como VOCÊS e Mytre e Mytria como separados e fora de vocês.

Para realizar sua missão vocês precisarão sentir suas expressões superiores do EU dentro de VOCÊS enquanto vocês também percebem seu vaso terreno como UM com a Terra de Gaia.

O caminho da ascensão não está fora de vocês, mas sim, dentro do corpo, que é um componente do corpo de Gaia.

Vocês entendem o que eu estou dizendo? – concluiu Lantern.

Sim, eu disse.

Olhei para Sandy e ela estava balançando a cabeça afirmativamente.

Mas eu acho que essa mudança de percepção será mais difícil do que pensamos.

Lantern meramente sorriu e recomeçou a subir a trilha.

Entretanto, Sandy e eu ficamos perdidos em nossos pensamentos e nos esquecemos de ouvir ao elemento terra.

Sandy começou a escorregar e eu perdi meu equilíbrio quando tentei segurá-la.

Antes de perceber, nós estávamos escorregando trilha abaixo em direção de um penhasco íngreme.

Lantern não tentou nos ajudar, o que me deixou furioso, tão furioso que minha consciência baixou e eu comecei a sentir medo.

Eu estava ficando confuso e desorientado quando ouvi Sandy gritar meu nome.

Ela se agarrara a uma árvore e estava estendendo sua mão para mim.

Eu me estiquei e agarrei sua mão, mas isso a fez desprender da árvore e nós dois começamos a cair.

Nós precisamos chamar os elementais da Terra, gritou Sandy.

Quando nós dois chamamos os elementais da terra de Gaia para pararem nossa queda, nós repentinamente ficamos muito calmos.

De repente nossa queda estava acontecendo em câmera lenta.

Portanto, nós dois vimos uma oportunidade de nos dirigirmos para uma grande borda.

Conforme nosso mundo se apresentou mais e mais em câmera lenta, nós percebemos que estávamos saindo do tempo 3D.

Nós nos focalizamos não em nossa queda, mas em uma pedra enorme e solo firme debaixo de nós.

Num flash de não tempo, nós estávamos aninhados na borda com o pó carinhoso de Gaia em cada milímetro de nossos corpos.

Só o que pudemos fazer foi rir e dizer obrigado, obrigado, obrigado aos elementais da terra de Gaia.


NOTA DA SUE:
Sendo uma ávida jardineira, eu tenho um grande amor pelos elementais da terra.
Eu também adoro as montanhas e caminhadas.
É importante que todos nós percebamos que Gaia é um ser vivo que nós devemos amar e proteger.
Em algum momento durante os últimos dois mil anos do Kali Yuga, o respeito pela Mãe foi perdido, exceto pelas tribos indígenas.
Esses povos, que são descendentes diretos dos lemurianos mantiveram a luz para Gaia durante esta longa noite escura.
É o AGORA de todos nós nos unirmos a eles em seu amor e respeito por todos os elementos, elementais e formas de vida de Gaia.
----.....---==II==----.....----

Fonte: http://suzanneliephd.blogspot.com/
Tradução: Blog SINTESE http://blogsintese.blogspot.com/

Gostou! Indique para seus amigos.
|Topo da Página|   -  |Voltar Menu Suzanne Lie|   -  |Voltar Home|