LuzdeGaia  
 
  A DIFERENÇA ENTRE A VERDADE E A FALSA RESSONÂNCIA
por Bernhard Guenther
12 de fevereiro de 2018
 
luz de gaia
     
 
"Para encontrar a verdadeira ressonância, é necessário separar o falso eu (com seus pressupostos, condicionamentos, expectativas, desejos, ferimentos, amortecedores, tendências, ganchos emocionais e desejos do ego) do verdadeiro Eu conectado ao Divino."

Muitas pessoas (inclusive eu) falam às vezes sobre "ressoar" com algo, ou não, ao determinar a "verdade" de uma escrita, ensino ou informação em particular. É esse o "conhecimento" intuitivo não-verbal. No entanto, também pode haver "falsa ressonância" (positiva ou negativa) quando é confundida com pensamentos ilusórios ou com base em projeções ou gatilhos (inconscientes). Às vezes, a parte falsa dentro de nós, baseada no condicionamento, programação e ferimentos, ressoa com algo que confundimos com o nosso verdadeiro eu, resultando em falsas ressonâncias - ou rejeitamos a verdade de algo porque desafia sistemas de crenças profundamente enraizadas com que nos identificamos e portanto, "não ressoa com isso", porque traz sentimentos desconfortáveis ... que também se relacionam com a dissonância cognitiva.

"Às vezes, as pessoas possuem uma crença central que é muito forte. Quando são apresentadas provas que funcionam contra essa crença, as novas evidências não podem ser aceitas. Isso criaria um sentimento extremamente desconfortável, chamado dissonância cognitiva. E porque é tão importante proteger a crença central, elas irão racionalizar, ignorar e até mesmo negar qualquer coisa que não se encaixe na crença central ". - Frantz Fanon

Embora exista uma validade para a ideia de "ressoar" com um determinado ensinamento ou fonte, pode ser facilmente aplicado erroneamente se o "instrumento de leitura", o Eu, não estiver "sintonizado" corretamente.

Por exemplo, as mensagens para "sentir-se bem" não são necessariamente prova da verdade e também podem ser manipulações emocionais (especialmente quando o ego se alimenta disso) ... assim como a informação que traz medo não é necessariamente falsa nem é "alarmismo".

Para encontrar a verdadeira ressonância, é necessário separar o falso eu (com seus pressupostos, condicionamentos, expectativas, desejos, ferimentos, amortecedores, tendências, ganchos emocionais e desejos do ego) do verdadeiro Eu conectado ao Divino, essa pequena voz não verbal dentro que sempre pode separar uma mentira da verdade, usando intuição e pensamento crítico, mesmo que a verdade não seja muito "agradável", e seja desafiadora para a visão de mundo e especialmente para a autoimagem.

Em outras palavras, é necessário um trabalho sincero e honesto para detectar as mentiras que contamos a nós mesmos, e confrontar todas as racionalizações e negações que as acompanham para que possamos mais e mais sintonizar a ressonância/conhecimento da nossa alma.

De uma perspectiva esotérica, as mentiras para o eu são as mais nocivas e difíceis de detectar, muito mais difíceis do que detectar as mentiras "lá de fora" através de um processo de pensamento intelectual. Essencialmente, o nível de Ser (encarnação da alma) também determina o quanto se pode acessar (mais alto) o conhecimento através da experiência direta (Gnose), que vai além de uma abordagem mental de "pensar" ou apenas de dissecar/ processar informações intelectualmente.

"Falsa ressonância" é a razão pela qual muitas pessoas bem-intencionadas espalham desinformação e ensinamentos corruptos / pop-espirituais (Nova Era). Eu não me retiro da equação por eu ter feito isso também, especialmente nos meus dias da Nova Era, quando eu não tinha muito discernimento, mas confundi meu próprio desejo e projeções emocionais para "ressoar".

A falsa ressonância é também o que o Programa Falso da Inteligência almeja e forma a base do Controle Mental da Matrix . A boa desinformação é na maioria das vezes misturada com a verdade. Bastante verdade para usar como uma isca para obter a atenção/ressonância do buscador ou engatar o seu ego, e depois colocá-lo em uma liderança/persuasão falsa, engula a mentira, mantendo-o adormecido enquanto ele/ela acredita em despertar.

Encontrar a "ressonância verdadeira" está relacionado à tríade de Conhecimento - Ser - Discernimento:

"O Conhecimento é uma coisa, o Discernimento é outra coisa. As pessoas muitas vezes confundem esses conceitos e não compreendem claramente qual é a diferença entre eles. O Conhecimento por si só não dá Discernimento. Nem o Discernimento aumenta por um aumento do Conhecimento sozinho. O Discernimento depende da relação do Conhecimento com o Ser (incorporação da alma / integração).

O Discernimento é o resultado do Conhecimento e do Ser. E o Conhecimento e o Ser não devem divergir muito, caso contrário, o Discernimento estará muito longe de qualquer um.

Ao mesmo tempo, a relação do Conhecimento com o Ser não muda com um mero crescimento de Conhecimento. Ele muda apenas quando cresce simultaneamente com o Conhecimento. Em outras palavras, O DISCERNIMENTO CRESCE APENAS COM O CRESCIMENTO DO SER.

No pensamento usual, as pessoas não distinguem a compreensão do conhecimento. Elas pensam que uma maior compreensão depende de um maior conhecimento. Portanto, elas acumulam conhecimento, ou o que chamam de conhecimento, mas elas não sabem como acumular compreensão e não se preocupam com isso".
~ G.I. Gurdjieff, em busca do miraculoso (por P.D. Ouspensky)


LIMITAÇÕES DO INTELECTO E COMUNICAÇÃO ONLINE

Quando se trata de separar a verdade das mentiras e se conectar à nossa intuição e à sua verdadeira ressonância, o pensamento crítico intelectual (enquanto é muito necessário e tem seu lugar) não é suficiente, e tem suas limitações porque esse pensamento isolado centrado na mente é desconectado da inteligência corporal (e essencialmente do Eu Divino e Espiritual). Se não houver inteligência e Incorporação emocional (integração da alma) combinada com auto-trabalho sincero para elevar o nível de Ser, este ficará preso em um nível intelectual e pode parecer muito "inteligente" (mesmo com um QI alto) sem progredir - falando esotericamente - da perspectiva da evolução da alma. Este é o estado do conhecimento sobre o qual Gurdjieff falou na citação acima.

As impressões energéticas são mais óbvias quando interagimos pessoalmente e, portanto, as conversas on-line podem ser mais enganadoras e desafiadoras, especialmente quando se interage com pessoas altamente intelectuais que têm pouca ou nenhuma inteligência emocional e são muito isoladas de seus corpos.

Elas também tendem a autojustificar e racionalizar para extremos, sempre tentando estar "certas".

" Sua mente corre imediatamente para manter a sua própria ideia, sua própria posição ou seu próprio curso de ação. Ela está pronta para justificar por qualquer tipo de argumento... o que leva a proporções exageradas e, enquanto se mantém assim, será impossível para ela ver ou viver a Verdade.

Tudo isso nossa razão não pode entender porque é o instrumento de uma ignorância com uma visão muito limitada e um pequeno estoque de conhecimento acumulado e nem sempre muito certo ou confiável e porque também não tem meios de conscientização direta; pois esta é a diferença entre intuição e intelecto, essa intuição nasce de uma consciência direta, enquanto o intelecto é uma ação indireta de um conhecimento que se constrói fora com dificuldade no desconhecido a partir de sinais e indicações e dados coletados ". - Sri Aurobindo, Yoga Integral

A Internet e as mídias sociais nos ligaram a muitas pessoas a que nunca teríamos nos reunido pessoalmente. Isso nos ajudou a comunicar nossos pensamentos e a compartilhar informações em todo o mundo. No entanto, ao mesmo tempo, há muito mais que podemos comunicar através de um teclado e tela. As palavras são muito limitantes para começar e muita comunicação não verbal se perde...

Projeções, pressupostos e mal-entendidos são inevitáveis on-line. As emoções estão sendo compartilhadas via “figurinhas/emojis” como se pudessem expressar a nossa vasta vida interior emocional, nossas experiências de vida.

As pessoas nos julgam (ou julgamos outros) com base em nossa (sua) presença on-line e as palavras ditas quando de fato há muito mais para quem somos.

Nosso corpo também está constantemente nos comunicando, assim como a Natureza e o Divino. Quando estamos presos na vida centrada na mente, não "ouvimos" nem sentimos as mensagens e orientações dentro e ao nosso redor - estamos separados da nossa intuição.

Não esqueçamos de buscar mais em nosso corpo, ouvir seus sinais e conectar-nos mais pessoalmente, se possível - para olhar nos olhos de outra pessoa, realmente ouvir (assim como esperar para falar), sentir a outra pessoa e ser mais consciente do vasto domínio da comunicação não verbal que revela muito mais do que as palavras faladas ou digitadas.

Estar mais ancorado em nossos corpos nos conecta também com a nossa intuição, orientação interna e habilidade para a ressonância verdadeira.
 
-.....---==II==----.....-
 
 
Direitos Autorais:

Bernhard Guenther
(parte do texto original)
https://veilofreality.com/2017/09/01/the-difference-between-true-and-false-resonance/

Tradução: Vilma Capuano <vilmacapuano740@gmail.com
 
 
 
Gostou! Indique o site para Seus Amigos.
 
IITopo da PaginaII - IIVoltar Menu Outras CanalizaçõesII - IIVoltar HomeII