ABANDONANDO A RELIGIÃO
Mensagem de Neale Donald Walsch
06 de setembro de 2011
 
Tenho estado a partilhar aqui a minha própria experiência da longa jornada que tantos de nós empreendemos, cada um à sua maneira, enquanto buscamos a experiência de Deus nas nossas vidas – o que eu chamei de A Experiência Sagrada.

No meu caso, não levou muito tempo para perceber que não ia ser possível permanecer devoto a Deus através de uma religião organizada. Muitas pessoas o fizeram, claro, e desta forma isto não é uma acusação à religião. Simplesmente, eu não conseguia encontrar o meu próprio caminho para a Experiência Sagrada, não conseguia entrar em contacto com a Realidade Transcendente através deste veículo.

A religião, para mim, apresentava demasiadas complicações e, no meu coração, eu vivenciava o que poderia chamar agora de Realidade Transcendente como sendo Sem Complicações. De facto, era Absolutamente Simples.

A religião, para mim, gerava demasiados conflitos, e eu vivenciava a Realidade Transcendente como Sem Conflito. De facto, ela era a Paz Total. A religião, para mim, oferecia muitas contradições com a minha própria verdade interior, e eu experienciava a Realidade Transcendente Sem Contradições. De facto, era Harmonia Absoluta.

Simplicidade Absoluta, Paz Total, Harmonia Absoluta. Sem Complicações, Sem Conflitos, Sem Contradições. Isto é como eu experienciava Deus. A religião não experienciava Deus desta maneira. Cedo eu o descobri.

Os como e os porquês da minha experiência pessoal não parecem tão importantes agora. Parece suficiente notar, em termos gerais, que a dificuldade singular que eu tinha com a religião era a insistência nos ensinamentos de um Deus necessitado – de facto, um Deus zangado, vingativo e violento – que ia punir-me pelos meus pecados. E, com certeza, ia punir o mundo todo.

Eu simplesmente não vivenciava Deus daquela forma. Devido aos ensinamentos prematuros da minha Mãe, talvez, mas por alguma razão o meu sistema de orientação interna manteve-me longe de tal ideia de Deus.

Eu procurei em todo o lado dentro das religiões da minha cultura, mas não encontrei nenhum lugar de conforto. Depois, eu explorei as religiões de outras culturas. Na mesma, muito pouca simplicidade, paz e harmonia. Um pouco aqui e um pouco ali, mas não a totalidade pela qual eu ansiava. Ainda um Deus sem complicações, sem conflitos, sem contradições.

Finalmente, eu deixei completamente a religião.

Passaria um quarto de século antes que eu regressasse a uma profunda e permanente fé em Deus, nascida de uma nova compreensão de Deus que mudou tudo na minha perceção de quem e do que Deus é.

Como isso se veio a passar é descrito nas Conversas com Deus – Livro I e no semi-autobiográfico Amizade com Deus. A resposta simples, pacífica e harmoniosa a que eu cheguei está maravilhosamente articulada em O Que Deus Quer, e estará ainda mais completamente num livro em que estou a trabalhar, com o título: Uma Nova Teologia.

E, para a próxima semana, iremos dar uma olhada aqui mesmo em como o aprendi, através das minhas conversas com Deus, da minha amizade com Deus e da minha experiência de comunhão com Deus. Junte-se a nós, se lhe der prazer fazê-lo.

Amor e abraços

Neale
 
.....---==oo0II0oo==--......

© 2010 Fundação Recreation – http://www.cwg.org – Neale Donald Walsch é um mensageiro espiritual contemporâneo cujas palavras continuam a tocar o mundo. A sua série de livros Conversas com Deus foi traduzida para 27 línguas e tem inspirado importantes mudanças nas vidas de milhões de pessoas.

Tradução: Ana Belo – anatbelo@hotmail.com

Gostou! Indique para seus amigos.

|Topo da Pagina| - |Voltar Menu Neale Walsch| - |Voltar Home|