TIAHUANACO – A CIDADE PERDIDA DA ANTIGA OG

Uma mensagem de Metatron canalizada por James Tyberonn, em

30 de julho de 2010

 

Saudações, Queridos! E assim o canal [Tyberonn] se encontra novamente na região interessantíssima do vórtice do Lago Titicaca, no país que uma vez foi chamado de OG. É como se ele fosse atraído para lá, porque muitas de suas encarnações se passaram nessa região; particularmente aquelas imediatamente após a queda da Atlântida, antes da sua viagem ao Egito. Daí a tristeza que ele sente, especialmente na área que vocês chamam de Tiahuanaco, pois foi onde o canal começou seu atual ciclo de fisicalidade, imediatamente depois da Atlântida.

 

Como Tyberonn, o canal não era atlante. Naquele tempo ele não era da Terra. Na primeira fase da Atlântida, muitos eram de origem extraterrestre e sua existência se manifestava em total consciência, algumas vezes em total fisicalidade, outras não. Esses seres tinham a capacidade de ir e vir desse modo. Naquele tempo – da mesma forma que hoje – o canal tinha grande interesse em tudo o que se relacionava com dimensões e grades. Nessa longa série de manifestações de vida, Tyberonn participou de muitos aspectos científicos dos sistemas de linhas ley, dos sistemas de energia cristalina e até foi consultado no projeto da Pirâmide de Gisé. Mas não era verdadeiramente um homem, como na forma atual, mas uma consciência manifestada. Como guardião de informações, Tyberonn trazia consigo uma compreensão para interpretar o sistema energético e para fazer com que esse conhecimento fosse útil aos atlantes. Ele passou grandes períodos de tempo no estado etérico não-físico, de modo a ter o conhecimento direto da Maestria.

 

Na terceira fase da Atlântida, Tyberonn foi cada vez mais atraído para a experiência e escolheu uma forma seletiva do que chamaremos de nascimento físico, uma vez que a tecnologia de rejuvenescimento físico tinha atingido um nível que permitia encarnações muito longas. No processo de encarnação através de nascimento físico, muito tinha que ser aprendido a cada vez. Naquele tempo, como agora, muitas coisas ficavam encobertas em cada nova encarnação, e precisavam ser re-aprendidas através da busca. Mas através de um acordo prévio, digamos assim, Tyberonn foi reconhecido por aqueles adeptos que ainda estavam no corpo físico – semelhante ao que acontece no Tibet, ainda hoje – que ficaram sabendo do local e momento exato do seu nascimento, de modo que lhe foi dado um treinamento especial desde muito jovem, para lhe possibilitar a lembrança necessária para atingir o propósito que o havia levado a escolher a vida física. Ele tinha à disposição tecnologias para a renovação do corpo físico, possibilitando encarnações físicas longas, algumas das quais se estendiam até 1000 anos, de acordo com a sua atual forma de medir o tempo.

 

Assim, com o tempo, Tyberonn foi cativado por esta grade e, de uma certa forma, foi cativado pela Terra. E foi levado a experienciar fisicamente o que ele não precisaria ter experienciado fisicamente.

 

Depois da queda da Atlântida, o canal se encontrou na colônia atlante perto de Tiahuanaco. Naquela encarnação, ele se conscientizou do que acontecera e não teve outro jeito de voltar ao lar senão se alinhando com as pessoas de frequência vibratória mais elevada, com os pontos de frequência vibratória mais elevada que ele podia descobrir sobre a Terra e, assim, aceitar e experienciar o ciclo completo de reencarnação. E foi assim que ele se alinhou com esse lugar, com esse país e com esse povo. Mas acrescentamos que, como Tyberonn na Atlântida, ele visitou OG, Yucatan e Egito muitas vezes, em empreendimentos científicos.

Agora, como naquele tempo, a alma-raiz de Tyberonn é a de um Mestre de Luz Ascenso de origem pleiadiana, mas quando tomou a decisão de se manifestar no ciclo físico de vida, num corpo físico, sua identidade verdadeira e sua natureza verdadeira ficaram ligeiramente ocultas para ele. Assim, da mesma forma que todos os seres humanos que se tornam profundamente enraizados no padrão de reencarnações, ele também acabou se separando um pouco da fonte Tyberonn, e aos poucos suas encarnações foram se tornando menos conscientes dessa essência-raiz. Vejam, depois da Atlântida, a humanidade caiu muito em termos de padrões de conhecimento e tecnologia.

 

Tyberonn teve uma série de vidas em Tiahuanaco. No começo ele ficou desorientado e perambulou um pouco, como que perdido, intimamente sentindo o recente cataclismo, como aconteceu com muitas almas depois da queda. Muitos ficaram confusos inicialmente, quando descobriram que as encarnações na Terra eram muito mais curtas do que as que haviam sido experienciadas na Atlântida.

 

Ainda restavam núcleos de conhecimento e consciência em alguns pontos, especialmente nos Andes, Yucatan e Egito, e Tyberonn foi atraído para  eles. Naquele tempo, seu nome era Calnae Ra. Em OG, ele foi o que se poderia considerar um geo-vulcanologista. Aprendeu a usar essas energias e esteve entre aqueles que participaram da elevação de blocos de pedras através do som, manifestando-os em dimensões superiores e trazendo-os à fisicalidade. Por isso, hoje as Pirâmides de Tiahuanaco naturalmente lhe trazem uma sensação de familiaridade e até uma tristeza estranha ligada àquela jornada entre o “povo perdido” de pós-Atlântida.

 

Agora nos é pedido que falemos sobra a energia de Tiahuanaco. Tiahuanaco foi povoada como colônia lemuriana, no país chamado Og, e acabou se tornando atlante, depois do desaparecimento de Mu. Foi um dos principais centros coloniais de civilização durante os períodos finais da Atlântida, embora uma grande parte de Og tenha sido devastada pelo tsunami atlante. Apenas as regiões situadas a mais de 6000 pés de altitude sobreviveram relativamente intactas. Mas foi aí que outros seres – de uma raça extraterrestre – participaram da vida na Terra, ajudando temporariamente e partindo em seguida. Essa raça de seres interagiu com os lemurianos, atlantes de Tiahuanaco e egípcios, de modo a ajudá-los durante um certo período após o desaparecimento de ambos. A energia harmônica desse antigo lugar é muito complexa e alguns aspectos dessa estrutura energética ocorrem funcionalmente em diversas dimensões além da terceira. Este é o fenômeno ao qual o canal se refere como espaço “zipado” [comprimido]; uma dobra condensada e concêntrica de diferentes fibras de grades dimensionais. Isto aumenta a capacidade de co-existir em vários planos de dimensionalidade ao mesmo tempo. É semelhante àquilo que muitos chamam de “atravessar o véu”, mas esta não é uma descrição totalmente precisa. É mais semelhante a entrar num holograma de cinco dimensões no qual todas são experienciadas ao mesmo tempo, sem realmente abandonar a dimensão em que se vive normalmente. Portanto, não há um “passar através”, mas uma coexistência sobreposta de membranas dimensionais. Isto acontece em muitas áreas de energias concentradas.

 

Sob Tiahuanaco existem várias câmaras e inserções geométricas (hologramas) sob a terra, que são conectadas por sistemas intricados de túneis a outros pontos da grade e locais sagrados. Estes incluem as regiões de Machu Picchu, Egito, Glastonbury Tor, Ilha de Páscoa e os Picos de São Francisco no Arizona. O grande labirinto subterrâneo de linhas ley de quarta dimensão conecta todos eles.

 

Diretamente abaixo da entrada, há um amplo, espaçoso templo subterrâneo, do tamanho de uma pequena cidade. Aí ainda existe um templo magnífico. Há uma pirâmide invertida que corresponde à Pirâmide Akapana acima. Isto completa um padrão energético de octaedro. A entrada para as imensas câmaras subterrâneas é conseguida quando se alcança uma vibração de alta frequência. Poucas almas encarnadas em corpo físico têm a capacidade de realizar essa entrada. Existem poucas almas em corpo físico que detêm esta capacidade e conhecimento, embora esse número esteja começando a aumentar. Como lhes dissemos, agora existem milhares de crianças cristal no planeta que possuem o potencial de atingir essa frequência.

 

Essas passagens subterrâneas contêm refinarias e amplificadores energéticos que eram usados nos níveis subterrâneo e atmosférico do planeta. Entre outras utilidades, eles projetavam um campo energético que era conectado ao núcleo magnético da Terra. De certa forma, este campo ainda é projetado, mas numa área muito menor e com menos utilidade. Esta energia é ativada através do que vocês denominam grade da gravidade. Ela ainda é mantida por extraterrestres, particularmente os de Sírius B, principalmente para reforma de partes do sistema de linhas ley de quarta dimensão.

 

Inclusive é a mesma energia que foi “explorada” sonoramente para o aspecto antigravitacional usado pelos adeptos pós-lemurianos e pós-atlantes dessa área, para erguerem os enormes blocos de pedra, de modo a executarem com precisão o projeto de construção dos Templos Pré-Incaicos e Incaicos nessa região do antigo Og, bem como nas civilizações Maias do México. Esse conhecimento era mantido por sacerdotes-cientistas, que eram muito adiantados nos conhecimentos técnicos de frequências e energias telúrica e luminosa. Naquela época, antes do dilúvio e durante um certo tempo depois dele, os sacerdotes cientistas eram treinados intensamente, por cerca de 20 anos, no desenvolvimento científico e intelectual, de modo a combinarem a ciência com os aspectos físicos ou espirituais da energia de vida.

 

Um processo, que envolvia a correlação entre as energias recebidas por raios solares e cósmicos, amplificadas a certos ângulos de refração com cristais e pensamento frequencial, criava projeções de luz sônica de antimatéria e antigravidade.

 

Uma aplicação diferente da tecnologia frequencial era utilizada para abrir e operar atalhos harmônicos do labirinto de linhas ley; novamente com a sabedoria integral da ciência espiritual. Grandes cerimônias eram realizadas como meio de sintonizar a rede energética. Assim como o sistema de linhas ley, esse labirinto energético é um remanescente da sua utilização pelos atlantes.

 

Muitas pirâmides eram conectadas a esta rede de labirintos e eram usadas como “wormholes” multidimensionais, na estrutura das grades planetária e universal. Muitos locais de poder natural foram incorporados a esta vasta rede. Estes caminhos de linhas ley foram desenvolvidos, inicialmente, no terceiro período atlante, desde aproximadamente 28000 AC, e funcionaram com grande aprimoramento, utilizando tecnologia extraterrestre, até o desaparecimento da Atlântica e por um curto período depois disso. Em muitos casos – mas não em todos – eram colocados túneis ao longo do trajeto de linhas ley existentes, utilizando-se uma tecnologia hiper-dimensional. As linhas ley eram amplificadas e usadas para viagem, comunicação e rede de retransmissão de energia. Os túneis também eram usados para conectar câmaras subterrâneas e, em algumas circunstâncias, para mineração.

 

Algumas das câmaras subterrâneas tinham a função de receber, armazenar, amplificar e projetar certas energias refinadas que eram alinhadas com o núcleo derretido da terra. Estas eram utilizadas para vários fins, incluindo o equilíbrio planetário e para juntar e concentrar certas forças de energia para serem usadas na projeção de campos. O processo de projeção era de natureza semelhante ao efeito de um jato de ducha, embora a energia fosse de natureza eletromagnética e estivesse contida em uma matriz refinada e sofisticada de campos eletromagnéticos opostos. Esse processo utilizava a ciência e o conhecimento de energias planetárias e universais, tais como mineralogia, tectônica e gravidades astrológicas.

 

Algumas das câmaras subterrâneas eram habitadas por seres humanos. Estes evoluíram para o que chamaremos de seres de quarta dimensão.

 

As câmaras sob Tiahuanaco, Peru e Yucatan ressoam com frequências específicas de luz e som. Estas ressonâncias podiam ampliar a consciência humana, não como nas câmaras das catedrais, mas numa escala imensa, hiperdimensionalmente. Os acúmulos de energia refinada eram incrivelmente potentes e capazes de serem convertidos em muitas utilidades. Podiam ser levados para mais perto da superfície da Terra e de lugares como Tiahuanaco, para o propósito de experiência de grupo e participação individual. As pessoas ainda são atraídas para esses locais para receberem energia da Terra viva, pois realmente a energia é facilmente acessada pelos antigos residentes de Og e pelos sacerdotes-cientistas ou Atla-Ra.

 

Esta área pode ser chamada de 12o Portal, pois próximo a ela, sob as águas do Lago Titicaca, ainda existe o 12o Disco Solar, que atualmente está sendo reativado junto com os dois Cristais Atlantes Mestres que o canal e muitos outros mudaram de local no final do abalo catastrófico de Atlântida, enquanto ela afundava e desaparecia tristemente.

 

Eu sou Metatron, Senhor da Luz, e compartilho estas Verdades com vocês.

 

Vocês são sempre Amados.

 

… E assim é

 
-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Tradução de Vera Corrêa veracorrea46@ig.com.br

 

Os direitos autorais desta canalização pertencem a www.Earth-Keeper.com. A publicação em websites é permitida, desde que as informações não sejam alteradas e os créditos do autor e seu site sejam incluídos. Este material não pode ser publicado em jornais, revistas e nem re-impresso sem a permissão do autor. Para pedir permissão, escreva para EarthKeeper@consolidated.net  

 

 Fonte: www.earth-keeper.com

 

 

Gostou! Indique para Seus Amigos

|Topo da Página|    |Voltar Menu Metatron|   |Voltar Home|