~ Ana e o Pássaro.....Integração do Espírito ~
O grupo através de Steve Rother
6 de Agosto de 2000
 

Lembretes de Casa - De Steve

Os Trabalhadores da Luz de todas partes estão se sentindo confusos e desconectados. Nestes tempos estamos passando rapidamente de um nível vibratório ao seguinte. O grupo diz que nós os humanos não nos resignamos a ascender degrau a degrau às vibrações mais elevadas. Em vez disso, não podemos resistir e saltamos para o elevador rápido que sobe centenas de pisos em poucos segundos, e logo, tentamos compreender porquê não podemos caminhar quando as portas do elevador se abrem. O que acontece é que estamos desconectados temporalmente e perdemos nosso caminho. Algo está acontecendo e é necessário que se trate. O grupo quis que pusesse de lado o que estava fazendo e apresentasse isto agora. Eles desejam falar sobre a integração do Espírito do Planeta Terra...
Em Fevereiro do 2000 o Grupo e eu apresentamos uma canalização ao vivo em Lacuna Hills, Califórnia. Depois da mensagem houve uma sessão de Perguntas e Respostas na qual se perguntou o seguinte:
Porquê me sinto desligado e confuso? Sinto como se tivesse perdido contato com meus guias. Podem me explicar que está passando?” O Grupo respondeu com o conto da Ana e o Pássaro. Aqui o Grupo compartilha a história com todos. Agora vemos que esta mudança é um acontecimento comum, à medida que a humanidade avança ao seguinte nível vibratório. O elevador rápido se deteve e as comporta se acabam de abrir.

Preparados?

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-

Saudações do Lar.
Muitas coisas estão mudando no Tabuleiro do Jogo à medida que vocês entram nas vibrações mais altas. Muitos de vocês sentem como se estivessem perdendo a conexão que uma vez tiveram porque é como se a magia parecesse se desvanecer ante sua vista. É difícil que possam ver a si mesmos da forma que nós os vemos enquanto permanecem na forma humana e caminham com os véus firmemente afiançados. Dizemos à vocês que seu êxito no planeta não determina a maneira em que dirigem a magia, a não ser a maneira em que dirijam o mundano. Com a integração do Espírito, é possível que respirem magia em cada etapa da vida. É importante que compreendam que não é o Espírito o que cria a magia. Estamos aqui para lhes ajudar a re-conhecer a sua própria magia.

O Pêndulo do Progresso Humano.

A humanidade progride de maneira similar a um pêndulo que oscila de um lado a outro. O pêndulo do progresso humano tem um ponto fundamental que balança quando o pêndulo oscila com suficiente força em um dos sentidos. Este impulso ilustra o progresso da humanidade. A natureza do pêndulo e a natureza da humanidade estabelecem que deve oscilar para ambos os lados antes de acumular o ímpeto necessário para avançar ao seguinte nível. O que vêem como retrocessos temporários são simplesmente uma ilusão da polaridade e, da nossa perspectiva, nem sequer são retrocessos. De fato, são a acumulo gradual que empurrará à humanidade para o seguinte nível.

No passado, a humanidade oscilou muitas vezes para criar o ímpeto necessário para obter uma mudança. Agora, vocês estão fazendo estas mudanças rotineiramente. Dizemos à vocês que não é necessário que a oscilação do pêndulo seja difícil. Vocês estão aprendendo a dominar o pêndulo.

Atravessando o Vale

Vejam a si mesmos atravessando um campo aberto, com o Espírito ao seu lado em cada passo que dão. Nunca estão separados dessa parte de si mesmos que conhecem como o Espírito. Vocês lhe falam com Espírito e falam com seus guias. Ao chegar ao topo da montanha, vêem que diante vocês se estende um vale que devem cruzar. Embora o Espírito nunca os abandone, há momentos nos que devem caminhar com fé. Saibam que enquanto atravessam este vale, o Espírito se encontra a seu lado, embora não o sintam. Se sentem que estão caminhando sozinhos, compreendam que seus guias simplesmente tomaram uma nova forma que vocês ainda não compreendem. Confiem em seu coração e sigam aquilo que lhes brinda embora seja só um pingo de paixão e sorte. Isto os conduzirá através do vale para uma ré-união mais forte com o espírito quando chegarem ao outro lado.

Não estão caminhando sozinhos.

Integração do Espírito


Vocês que estão liderando o caminho, começaram o processo de carregar seu pleno poder enquanto caminham nas bolhas de biologia. Isto se obtém por meio da união com seu Eu Superior. Imploramos a vocês que não se envolvam na competição espiritual, porque isto negaria rapidamente qualquer progresso e o transformaria em ilusão. A competição é unicamente uma ilusão da polaridade e atrasará seu progresso vibratório, retendo-os firmemente na terceira dimensão. Permitam a integração gradual do Espírito e não temam os intervalos de silêncio que se pressentem durante a viagem.
Não estão caminhando sozinhos

A Estória da Ana e o Pássaro

Para explicar a mudança vibracional que estão experimentando, desejamos lhes contar o conto de Ana e o Pássaro. Fiquem confortáveis enquanto lhes relatamos esta estória.

Em seu quarto, justo antes do amanhecer, tudo o que se podia escutar eram os soluços de uma alma muito infeliz. Ana era uma menina Índigo de doze anos que estava muito preocupada com sua vida no Tabuleiro de Jogo do Livre-arbítrio. Tinha muito poucos amigos e lhe custava relacionar-se com outros na sala de aulas da escola. Seus professores a consideravam uma criança problema. Ela sempre se sentia como uma estranha olhando de fora. Era muito difícil para a Ana relacionar-se com sua mãe e brigavam com freqüência. Apesar de que Ana tinha a sensação interna de saber, ela se sentia abatida e já quase tinha abandonado toda esperança. Aos doze anos, Ana desejava retornar ao Lar.

Ao sentir sua confusão, o Espírito lhe falou diretamente: “Ana, pode partir se o desejar, mas primeiro deve sair ao jardim e estender seu dedo frente a ti”. Ana ficou atônita de que o Espírito lhe falasse tão diretamente porque isto nunca antes tinha acontecido. Depois de refletir sobre o que o Espírito lhe havia dito, ela não compreendia como isto poderia ajudá-la, entretanto decidiu fazer o intento. Saiu à frescura matinal, o sol logo que começava a sair e no céu havia uma espécie de tintura vermelho azulado que cobria tudo. Olhou a seu redor para assegurar-se de que ninguém a observava, fechou seus olhos e estendeu seu dedo frente a ela, como lhe havia dito o Espírito. Instantes depois sentiu um comichão em seu dedo e abriu os olhos. Viu um pequeno pássaro marrom posado em seu dedo estendido. “Olá querida” disse o pássaro. Os olhos da Ana imediatamente se encheram de lágrimas porque começou a recordar o Lar, quase esquecido, que retornava inundando-a novamente com a lembrança.

Enxugou as lágrimas de seus olhos e olhou a seu redor para ver se alguém a estava olhando. Estava sonhando ou isto era real? Na verdade o pássaro falava? Justo então o pássaro lhe falou novamente: “Ana, estou aqui para te ajudar a re-conhecer, porque está aqui com um propósito e se você partir agora, seu propósito ficará sem se cumprir”. Lágrimas de alegria apareceram nos olhos da Ana, porque pela primeira vez, sentiu um brilho de esperança. Inclusive o débil conhecimento de que tinha um propósito, ajudou a Ana. O ar do jardim se encheu de magia quando o pássaro começou um diálogo com Ana que durou mais de uma hora. A maior parte do tempo Ana não fez senão chorar, porque tinha que liberar muitas coisas. Então, Ana escutou os ruídos que produzia sua mãe na cozinha ao começar o dia. Ana temeu que seu tempo com o pássaro mágico estivesse a ponto de terminar. “Não tema Ana, falaremos novamente. Sempre estarei aqui para ti. Não tem mais do que vir ao jardim e estender seu dedo e eu te responderei.”'

Esse dia no colégio, os professores não podiam compreender por que Ana passou chorando todo o tempo. Pensaram que algo andava mal, mas Ana sabia que agora tudo estava bem. Houve instantes em que ela duvidou que isto tivesse acontecido. Acaso ela estaria inventando isso? Compreendeu inclusive que se o pássaro era produto de sua imaginação, não havia diferença. Os sentimentos do Lar que o pássaro lhe transmitiu a fizeram sentir-se completa e ela não estava disposta a renunciar a eles.

A partir desse dia, cada manhã, Ana se levantava antes do amanhecer, saía ao jardim e falava com o pássaro. Falaram de muitas coisas e o pássaro deu a Ana as lições de vida que devia completar. Ana cumpria estas lições alegremente, inclusive quando algumas delas implicavam mudar coisas difíceis dentro de si mesmo. O pássaro re-lembrava isso constantemente, que ela tinha o poder de mudar sua realidade por meio de suas escolhas. Este pequeno pássaro trouxe magia a esta jovem menina chamada Ana. Os dias passaram e logo a vida da Ana começou a mudar. Na escola, Ana encontrou amigos que a admiravam e a respeitavam. Seus professores mudaram magicamente e se tornaram seus amigos. Inclusive sua mãe e ela começaram a se entender e a se comunicar pela primeira vez. A vida da Ana tinha sentido.

Uma manhã, Ana começou a olhar para trás e compreendeu o quão longe que tinha chegado em tão curto tempo. Em apenas uns poucos meses, Ana tinha avançado mais para alcançar a felicidade que do que tinha podido fazer nos doze anos anteriores. Ao compreender isto, deu graças ao pássaro pelo dom da magia que lhe tinha dado O pássaro lhe respondeu: “Querida, não posso te dar aquilo que já possui. Meu trabalho foi ser o espelho para que pudesse ver seu eu verdadeiro e re-conhecer seu poder. Por favor, nunca perca de vista o fato de que o poder de mudar não está fora, a não ser dentro de você. Você escolheu exercer este poder e, portanto, mudou a sua própria realidade”.

O mais importante na vida da Ana, foram os instantes que, cada manhã, compartilhava com o pássaro e que lhe faziam recordar seu verdadeiro poder. O amor que sentia por esta formosa e singela criatura era assustador. Com chuva ou com sol, Ana passava cada manhã nesse jardim afinando o tom de seu dia com o professor que tinha aprendido a amar tanto. A vida de Ana era boa...

Uma manhã, Ana despertou mais cedo do que de costume. Sentiu uma mudança na energia, mas não estava segura do que acontecia. Re-lembrou o que o pássaro havia lhe dito sobre as elevações de energia e que esse era o modo em que os humanos evoluíam. Re-lembrou que o pássaro havia lhe dito que a mudança era uma parte necessária do progresso espiritual, porque sem mudança, todos morrem com o tempo. De fato, é a mudança que cria a magia que procuramos. Estes pensamentos rondavam sua cabeça e com cuidado preparou as perguntas que faria ao pássaro durante o tempo mágico que compartilhariam essa manhã. Quando chegou o momento, Ana entrou em jardim cheia de esperança e estendeu seu dedo. Essa manhã o pássaro não apareceu.

Com a ajuda do pássaro, Ana tinha aprendido a confiar em seus sentimentos internos em vez de em seus pensamentos. Era o momento perfeito para utilizar estes dons e, de algum jeito, soube no interior de seu ser, que seu querido companheiro se encontrava bem. Soube também, no fundo de seu coração, que ela estaria bem e que nada mau tinha ocorrido. Entretanto, sentia saudades do seu amigo o pássaro e dos momentos especiais que tinham compartilhado. Ana recordou todas as coisas que o pássaro havia lhe dito e como as tinha empregado em sua vida. Sentiu-se confusa, porque uma das primeiras coisas que o pássaro havia lhe dito foi de que nunca a abandonaria. Permaneceu essa manhã sozinha no jardim até que o sol saiu. Ana inclusive tentou falar com pássaro, imaginando que estava ali. Podia sentir inclusive a coceirinha do pássaro pousado em seu dedo. Ana descobriu que para cada pergunta que fazia ao seu amigo imaginário, ela já sabia a resposta.

Cumpria com seu ritual de sair ao jardim e estender seu dedo frente a ela. Pela primeira vez em longo tempo, Ana derramou lágrimas de tristeza. Durante as semanas seguintes, Ana continuou saindo ao jardim a cada manhã e pensou no seu amigo. O dedo da Ana nunca mais sustentou o pássaro.

À medida que passou o tempo, Ana desempenhou um importante papel em sua escola. Os professores compreenderam finalmente que Ana não era uma menina problema, mas sim, que outros iguais a ela, estavam muito além do que a escola lhes ensinava. Ana os ajudou a melhorar a maneira em que eles focalizavam o ensino. Ajudou o pessoal a adaptar seu pensamento para dar capacidade às novas crianças que estão chegando. O dia em que Ana se graduou foi um dia muito especial. Houve um tempo que ela não podia imaginar isto e queria partir. Agora, sabia que tinha desempenhado um papel muito importante. Tinha contribuído da sua pequena maneira à toda a humanidade e tinha ajudado a estabelecer a energia para tudo o que viria.

Ana cresceu em estatura e em idade. Ana se converteu em uma grande curadora e ajudou a milhares de pessoas a tomar seu próprio poder e a trocar sua realidade. Ana usava o que seu coração lhe ditava para guiá-los. Ao assumir seu poder, Ana descobriu que as respostas lhe chegavam no instante em que formulava a pergunta. Isto era distinto, porque a direção parecia vir do seu interior em vez de uma fonte externa. Nunca esqueceu o que o pássaro tinha lhe ensinado. Com freqüência pensava em seu amigo mais querido e se rodeou de toda classe de pássaros. Construiu um santuário para pássaros em sua terra e o visitava freqüentemente. O pássaro chegou a ser o símbolo pessoal da Ana e as imagens de pássaros enfeitavam todas os cômodos de sua casa. Tinha tantos pássaros que seus amigos a chamavam a dama dos pássaros. Ana aceitou o título com grande orgulho. Ana foi tocada e nunca esqueceu isto. Ela escolheu levar o dom da sabedoria do pássaro em tudo o que fazia. Ana caminhava com o Espírito.

Anos depois, Ana estava cuidando de seu neto. Este menino era muito especial para a Ana e tinham uma conexão que ia muito além desta vida. O dia que ele nasceu, ela soube que tinham um contrato. Ela simplesmente permanecia à espera. Billy era um menino de sete anos com brilhantes olhos que olhavam sem temor na profundidade da alma da Ana. Recordava-lhe o importante papel que ela tinha desempenhado no projeto do novo sistema escolar. Ele ingressaria agora naquilo que ela tinha aberto. Nesse instante Ana sentiu-se muito agradecida por haver ficado. Um bom dia, este jovenzinho especial estava de visita na casa de sua avó. Com curiosidade, examinava as muitas estátuas de pássaros que Ana tinha em sua casa. Sua atenção se centrou na estátua de um pequeno pássaro marrom. Ana notou que seu neto olhava a pequena estátua com grande atenção e soube em seu coração que algo maravilhoso estava por acontecer. Conteve seu fôlego ante a expectativa à medida que seu neto de sete anos se virava para ela e lhe dizia: “Sabe Avozinha?... este pássaro se parece com o pássaro que está sempre em seu ombro”.

As palavras de seu neto a golpearam com uma força que a encheu de amor. Repentinamente, todas as perguntas da Ana foram respondidas, à medida que as peças do quebra-cabeças se encaixavam em seu lugar. Recordou o dia que o pássaro não se apresentou e agora compreendeu que tinha passado a um nível de vibração o suficientemente alto como para que o pássaro pousasse em seu ombro em vez de no seu dedo. Ana tinha se acostumado tanto a procurar o pássaro em seu dedo que não soube que o pássaro estava agora muito mais perto e de que lhe sussurrava diretamente no ouvido. Nesse instante foi cumprido o contrato da Ana com seu neto. Pela primeira vez em sua vida, o que ela sabia em sua mente coincidia com o que sabia em seu coração e sua vida estava completa.

Lágrimas de alegria voltaram depois de todos estes anos, porque o longo silencio foi quebrado. O pequeno pássaro marrom da infância de Ana voltou a lhe falar. “Sim, minha querida Ana, disse a você que nunca te abandonaria e assim foi. Estou tão orgulhoso de você porque o dia em que eu pousei em seu ombro, em vez do em seu dedo, enfrentou uma escolha. Poderia ter permanecido para sempre prestando atenção ao seu dedo, esperando pela direção que estava acostumada a receber do exterior. Entretanto, decidiu avançar e seguir caminhando com o conhecimento que tinha por si mesma. Esta é a integração do Espírito e a abertura ao seu eu superior. Não está separada do Espírito, como seus olhos humanos poderiam te fazer acreditar. Sua não está separada de mim, porque somos um. Caminha no mundano com o Espírito sobre seu ombro e se atreva a criar a magia que busca. Você, querida Ana, tem feito isto bem. Completou seu propósito mais elevado ao aprender a caminhar com o Espírito”. Ao escutar isto, Ana se sentiu completa. E assim é... .

Escolhe seu Ponto de Percepção

Igual a Ana, todos vocês têm a oportunidade de escolher quando experimentam o espaço intermédio. Se estenderem seu dedo e o pássaro não aparecer, têm a oportunidade de perceber o que acontece ou como algo que está ruim ou a oportunidade de progredir à níveis mais elevados. Sua escolha determinará o resultado. Ana poderia permanecer o resto de sua vida no jardim esperando que o pássaro retornasse e, entretanto, escolheu levar consigo o que tinha recebido e aplicá-lo em sua vida diária. Embora a vivencia não foi tão misteriosa como o pássaro que pousava em seu dedo, a orientação que recebeu pelo resto de sua vida foi mais intensa.

Dêem capacidade a algo mais elevado e sua orientação retornará multiplicada dez vezes. Atravessem os momentos de silêncio com o pleno conhecimento de que têm a orientação que pedem e que lhes pertence. Desfrutem do tempo que o pássaro permanece sobre seu dedo e estejam preparados a escutar quando se aproximar mais, pousando em seu ombro. Sigam o amor porque os levará a Lar. Sigam o amor porque os conduzirá à criação do Lar sobre o Planeta Terra.

A União da Magia com o Mundano

Atrevam-se a incorporar sua própria magia no mundano à medida que dão cada passo em sua vida diária. A humanidade tem arraigada no fundo de seu ser a necessidade de mudança. Inclusive as experiências mais emocionantes se tornam sombrias com a repetição. Convidem à mudança e não celebrem a perda do velho, em vez disso, abracem as possibilidades do novo. Encontrem magia em cada vivencia do dia e a magia se multiplicará. Se tiverem dificuldades para encontrar a magia, olhem-se uns aos outros até que aflore. Então, com segurança a encontrarão, porque vocês são seres mágicos.

Devolvam a magia aos seus negócios e governos e observem como eles também se elevam às realidades vibratórias mais altas.

Esperem um milagre, e depois criem-no.
Sentimo-nos honrados por estar aqui, durante sua ascensão às vibrações mais elevadas. Vocês estão alcançando o Lar. Nós também, estamos alcançando suas mãos e lhes ajudando a retornar outra vez ao Lar. Não estão caminhando sozinhos. Tratem-se com respeito uns aos outros, cuidem-se bem uns aos outros e joguem bem juntos...

O Grupo

-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-.-
Durante as sessões, o Grupo nos mostrou que, com freqüência, a maneira em que enfrentamos os tempos difíceis determina nosso progresso quando o pêndulo oscila no sentido oposto. Preparem-se para possuir seu poder, os tempos por vir prometem ser muito emocionantes.
O Grupo não o mencionou durante a mensagem, mas o pássaro que ilustrou a unificação do mundano com a Magia, era um pequeno e comum pardal. Cada vez que vejo um pardal ou um pássaro pequeno, posso re-conhecer esta história. Espero que vocês também.
Um forte abraço com nobre aperto.

Tradução: Silvia Tognato Magini silvia.tm@uol.com.br

Pedido Especial

Por favor, incluam-na, ao usarem este material. Esta mensagem poderá ser livremente divulgada no todo ou em parte desde que não seja exigido pagamento pela informação e que este aviso seja anexado. Ao usar uma versão parcial deste material, por favor, indique claramente que esta é uma versão incompleta e ofereça ao leitor a versão original em
http://www.Lightworker.com/beacons/  . Estimulamos as publicações a imprimi-la. Não é necessária permissão, mas pedimos que nos enviem uma comunicação para Pub@Lightworker.com Outras informações proporcionadas por Steve e o Grupo poderão ser encontradas em: http://www.Lightworker.com  ou por meio de Lightworker em (858) 748 5867.

Agradecemos a sua ajuda para difundir a Luz!
 
Gostou! Indique para seus amigos.

|Topo da Página| - |Voltar Menu O Grupo| - |Voltar Home|